Skip to main content

Deficiência auditiva afeta um milhão em Portugal

26/02/2014
Artigos
Deficiência auditiva afeta um milhão em Portugal

Em Portugal há cerca de um milhão de pessoas com perda auditiva e, em média, o tempo entre o aparecimento dos primeiros sintomas e a decisão de procurar ajuda especializada ronda os sete anos. O problema pode acontecer praticamente em qualquer altura da vida, com igual incidência em ambos os sexos. A maior parte das pessoas vai perdendo a audição de forma gradual à medida que a idade avança, o que explica a elevada incidência do problema na população mais sénior.

As últimas estimativas apontam para que 60% da população nacional com mais de 65 anos venha a padecer desta complicação, até 2015.
De facto, é normal que, com o avançar da idade, algumas das nossas facultades vão sendo afetadas e os sentidos se vão tornando menos apurados. A perda de acuidade auditiva é gradual, pois quando se começa a "ouvir mal" a evidência não é imediata, o que facilita o arrastar da situação até esta alcançar estados mais graves e irreversíveis e cuja reabilitação é, muitas vezes, mais morosa e complicada.

As pessoas com presbiacusia sofrem de uma redução significativa no volume do som, pelo que sinais como colocar a televisão ou rádio muito altos, pedir constantemente para as pessoas repetirem o que foi dito, aproximar um ouvido da pessoa que está a falar ou demonstrar dificuldade em compreender conversas ao telefone (recusando-se muitas vezes até a atender), são frequentes e a que todos devemos estar atentos. Em casos mais graves, a pessoa não compreende conversas e fica confusa com a falta de perceção da direção do som.
 
Para além das consequências físicas, a pessoa idosa com perda auditiva não reabilitada pode ter tendência para se isolar, evitando atividades sociais e tornando-se inativa e dependente. A perda gradual de audição vem também acompanhada frequentemente por um estigma de negação bastante enraizado. Pessoas com perda auditiva acreditam, e defendem, que são as outras pessoas que falam demasiado baixo e, na maioria dos casos, não conseguem ultrapassar esse sentimento sozinhos. Tem de existir, geralmente, uma influência social por partes dos seus pares e familiares ou uma situação induzida que faça surgir a necessidade de procurar aconselhamento especializado.
 
Mas a perda auditiva não é e não deve mesmo ser sinónimo de isolamento e mudança de hábitos. Existem formas práticas e simples de prevenir e soluções acessíveis de reabilitação auditiva que podem contribuir para uma melhoria substancial da qualidade de vida.
 
De facto, um dos conselhos mais simples de seguir para prevenir a perda auditiva e detetar qualquer anomalia na audição passa pela visita regular – pelo menos uma vez por ano – a um centro especializado pois, na maioria dos casos detetados precocemente, é possível restituir a audição. Em casos mais graves, em que a ação clínica não é eficaz, os aparelhos auditivos são a solução recomendada, podendo melhorar significativamente a audição perdida.
 
Saiba como está a sua audição.

Pergunte ao especialista
A sua informação:

Sliding banner form

Preencha o formulário e esclareça todas as suas dúvidas!

Colocamos à sua disposição o conhecimento de um audiologista Minisom, que poderá esclarecer todas as suas dúvidas sobre o sistema auditivo e as nossas soluções.

  • Tem algum tipo de questão relacionada com a audição?
  • Tem zumbidos ou apitos no ouvido e não sabe o que fazer?
  • Quer saber em que consiste o nosso exame auditivo 360?
  • Gostaria de conhecer as nossas soluções auditivas e o seu funcionamento?
  • Outra?

Como podemos ajudar?